sexta-feira, 8 de abril de 2011

Perfil Psicológico mulher PERSÉFONE

Pintura: Veronese

- Mulheres Reservadas, reclusas. Necessitam da solidão.


- Muita sensibilidade, facilmente vulnerável ao estado psíquico do ambiente.


- Realizam seus projetos secretos, assim entram em contato com o mundo invisível, espiritual.


- Criam em torno de si uma aura de mistério. Não falam seus segredos, mas permite que eles existam.


- Possuem conhecimento de estâncias psíquicas difíceis de compartilhar e suportar.


- Vulnerabilidade espiritual, que faz parecer que uma parte dela está em outro lugar.


- Tão Intuitivamente ligada que outros acabam percebendo sua presença.


- Discreta, possui um rosto e jeito de ser atraentes que parecem sorrir.


- Como está sempre flertando com a morte de forma simbólica, acaba tornando-se fisicamente imune ao seus processos.


- Usa cabelos longos e soltos e roupas floridas e esvoaçantes.


- Na infância pode ter sofrido alguma tragédia, algo que a arranca do mundo inocente, a perda precoce da mãe ou do pai, abuso sexual, alguma doença grave, pai ou mãe alcoolista ou esquizofrênico, ou ter nascido de um parto difícil. Isso tudo pode vir acompanhado de depressão ou retraimento que futuramente a levará ao domínio deste arquétipo.


- Caso ela não reconheça este profundo primeiro impacto em sua vida, este tipo de experiência poderá voltar a acontecer na adolescência ou início da vida adulta. Ela poderá vir a ser uma iniciada muito relutante nos domínios da alma.


- Ou, poderá passar por um momento de divórcio, uma mudança não desejada para um lugar distante, um aborto, a perda de emprego... Nestes epsódios, há sempre uma morte psíquica.


- Tragédia forte com ego frágil, associada a uma excessiva sensibilidade, faz com que a mulher desenvolva uma constituição de personalidade dupla e dividida.


- Isso significa que se sentirá impotente e aprenderá a viver em dois mundos: o de sua mãe Deméter, que é o da luz e da consciência; e de seu marido Hades, que é o das sombras e o do inconsciente.


- Enxerga o que pode ser revelado e o que pode e deve permanecer em segredo. Este é seu fardo e sua responsabilidade.


- Haverá uma sutil dissolução de sua personalidade com a eventual mistura de seu eu ao dos outros, como em um transe ou estado quase místico de fusão.


- Possui sensibilidade para captar segredos não revelados nas constelações familiares, (incesto, prostituição, loucura, geralmente algo mantido firmemente fechado por gerações); E como canal, poderá vir a atuar estes segredos negados.


- Entretanto, sua conduta para com os outros, é de uma exterioridade encantadora, sutilmente concebida para ocultar uma intensa interioridade decorrente de sua vivência nos limites do conhecido.


- Estar ligada psiquicamente a realidades temidas ou negadas pela maioria das pessoas pode lançá-la a um inferno vivo.


- Para se proteger expressará uma máscara exterior inocente e bem adaptada.


- De forma oculta, desenvolverá uma outra vida rica e intensa, da qual poucos chegam a saber e que será um tormento caso não queira enfrentar.


- Esta rica vida interior não é revelada facilmente. Quando só, que é o que mais quer, começa a fazer diários secretos, pintar, escrever ou dedicar-se a visões e meditação.


- A medida que cresce encontra o caminho do ocultismo ou espiritualismo.


- Seus estudos serão segredos bem guardados. Assim, talvez terá algum continente no sentido de não se achar esquisita e anormal, apenas diferente num sentido mais positivo.


- Reconhecer e focalizar seu dom em trabalho é um bom caminho. Em culturas anteriores sua função era de vidente, curandeira ou xamã. Atualmente, atuam com práticas alternativas de cura, terapeutas, ou atividades artísticas.


- Pode então perceber que possui sensitividade, mas para conseguir conviver com o mundo, é importante também desenvolver outros tipos de arquétipos em sua personalidade.


- Como o seu mundo é o dos espíritos sentirá falta de ardor, afeição, substância, ou o que a maioria chamaria de realidade.


- E a forma como ela lida com isso é com suas ameaças de dissociação psíquica, loucura e desespero. Não obstante, será necessário o reconhecimento de suas dores mais profundas, que geralmente ficam intactas e camufladas.


- Renunciar ou abandonar, no sentido de perder algo e tornar sacro, é como ela pode realizar este trabalho interior.


- “A fonte de sua transformação vem de baixo, da profundeza da alma, não dos confins elevados do espírito”.


- Partirá em busca do salvamento de tudo e de todos e como seu ego carece de fronteiras, aparecerão em seu trabalho clientes que invadem a sua vida pessoal, provocando caos com uma insaciável carência de amor e atenção.


- Pode tornar-se mãe espiritual de toda a alma machucada da vizinhança e isso a torna invadida psiquicamente.


- Existe neste tipo de mulher uma profunda alienação do corpo e da sexualidade. Ao isolar as partes inferiores do corpo, ela também aliena a energia telúrica que a envolve.


- A sexualidade é fundamental na sua iniciação e no seu despertar, com a união de energias masculinas e femininas no seu interior e nas profundezas do corpo.


- Desenvolvendo Afrodite poderá conseguir mais brilho e entrar mais em contato com o mundo. Deméter pode dar o calor do qual ela sente falta, além de dar-lhe um senso de corpo e trazê-la ao chão. Hera lhe dará um terreno mais firme e um pouco da realidade comum necessária. Com Ártemis ela aprende a ter um pouco mais de solidez de propósito, ego forte, espírito prático e nada sentimental.


- Ela é ao mesmo tempo jovem e velha, virgem e mãe, aquela que cuida da vida e da morte. Esta relação mostra a dinâmica existente entre o mundo de luz e o mundo das trevas.


- As mulheres Perséfones maduras que cumpriram a sua jornada, vivem além do mundo comum, ainda que permaneçam em íntimo contato com ele. Confessam que seu maior desejo é se livrar de toda a conformidade para com a sociedade.


- Como a lua possui infinitas variedades de luminosidade, sombra e escuridão. Sua luz é refletida, habitará a escuridão, mas também vai compartilhar da luz do sol. Suas sombras são discretas e possui uma ligação com o tempo e com a periodicidade. Esta é a natureza feminina e honrá-la é reconhecer e reverenciá-la em todas as sua fases, pois ela é sagrada.


- Muitas mulheres sentem-se atraídas por Perséfone, por esse papel, são os "semi-apaixonadas por uma morte que traga alívio" (Keats). Elas flertam com uma morte em diversos períodos de suas vidas.


- O que Perséfone não compreendeu é que a vítima dentro dela precisa ser sacrificada e contrair núpcias com os poderes escuros.


- A palavra sacrifício significa o "tornar sacro". Toda dor, raiva e mágoa precisam ser oferecidas às forças que estão além de si. Como em toda iniciação, é preciso haver uma morte do mundo profano da vida cotidiana, mas isso não é motivo de orgulho espiritual nem motivo para sentir-se miserável.


- Como é que Perséfone, enquanto terapeuta ou curandeira pode confortar os desesperados se nunca esteve lá?


- Na verdadeira vida do espírito existem luz e trevas, júbilo e desespero, assim o inconsciente com seus aspectos superior e inferior. O desafio maior de Perséfone é unir o lado escuro e o lado luminoso da Deusa em si mesma.


- E Perséfone terá que aprender a conviver com a sombra dentro dela. Quando projeta o seu lado sombra nos outros, deixa de completar o movimento descendente até Hades, seu noivo verdadeiro, e corre o risco de ficar doente ou de atrair pessoas destrutivas e até mesmo perversas.


(Fatima Vieira - Psicóloga Clínica)

2 comentários:

  1. Querida, sou estudante de arteterapia no Instituto Junguiano da Bahia e Artista Plástica. Queria contribuir com o seu blog, com envio de alguns desenhos meus, para caso queira utiliza-los para ilustrar seus artigos...

    ResponderExcluir
  2. Olá Cida Mello,
    ficaria feliz de poder contar com o seu trabalho artístico e darei o devido crédito no uso das imagens, bjo fatima.psique@gmail.com

    ResponderExcluir