sábado, 5 de janeiro de 2013

Ψ JUNG e os sonhos premonitórios

imagem: Igor Zharkov

Os sonhos são um aspecto ainda pouco conhecido pela ciência.

O conhecimento de sonhos premonitórios ou significativos a poucas horas da morte é comum serem relatados em muitas religiões e culturas, da China e Índia à Grécia Antiga.

O último sonho que o psicólogo suíço Carl Gustav Jung comunicou a seus seguidores, alguns dias antes de morrer, foi o de uma grande pedra sobre a qual estava escrito: "Para você, este é o sinal de integridade e unidade". 

Na interpretação de Jung, isso apontava que o trabalho de sua vida tinha chegado ao fim.

 Sócrates e Confúcio também se referiram a sonhos significativos ocorridos pouco antes de suas respectivas mortes.

  - Culturas indígenas e outras referem que os sonhos permitem contatos com as divindades. É uma viagem da alma e podem preconizar o futuro.

 - Há relatos de que os índios já utilizavam-se dos sonhos para saberem onde estava a presa na hora da caça.

 - Entretanto, essas culturas salientam que somente indivíduos que governam suas vidas com retidão, purificação e sabedoria terão acesso ao privilegiado mundo dos sonhos premonitórios.

 - Para os índios, nos sonhos estamos no puro estado de espírito, que tudo vê por todos os ângulos.

 - Numa perspectiva mística, o espírito é o princípio inteligente, sede do saber e dos processos psicológicos conscientes e inconscientes. O ego onírico é o próprio espírito consciente de sua individualidade.

 - Podemos desenvolver nossa espiritualidade pelos sonhos. Os sonhos espirituais vão refletir a cultura religiosa do sonhador.

 - O Psicanalista suíço Carl Gustav Jung (1875-1961), desenvolveu um método alternativo para compreender a natureza da mente humana e dos sonhos. No fim da sua longa vida, já tinha recolhido e estudado mais de 80.000 sonhos.

 - Ao contrário de Freud, Jung dizia que os sonhos procuram se comunicar, não ocultar o que está no inconsciente.

 - Segundo Jung, o que não estaria claro para nós é a linguagem dos sonhos, mas afirmava que deveríamos aprender esse idioma para tirar dele os benefícios e as mensagens que os sonhos trazem. 

 - Os sonhos podem ser classificados em grandes ou pequenos. Sonhos grandes são sonhos mais arquetípicos, míticos, muitas vezes indecifráveis do ponto de vista individual, porém carregados de uma energia capaz de "sacudir" a psique e modificar o curso da vida do indivíduo.

 - Os pequenos sonhos dizem respeito à vida cotidiana do sonhador.

 - Os sonhos premonitórios ocorrem quando há uma grande carga de emoção, esse tipo de sonho acontece mais na terceira parte da noite quando estamos mais descansados e com menos lembranças da véspera.

 - Muitas vezes são simbólicos, para que a pessoa que recebe a mensagem não sofra um impacto emocional muito grande.

- O sonho é uma manifestação dinâmica do inconsciente, em que ele faz energicamente algo por sua própria vontade, movimenta-se e cria por sua própria conta, e foi isso o que Jung definiu como espírito. 

 - O inconsciente sabe coisas; conhece o passado e o futuro, sabe coisas a respeito de outras pessoas. De tempos em tempos, todos nós temos sonhos que nos informam sobre algo que acontece a uma outra pessoa. 

- Psicólogos sabem que os sonhos premonitórios e telepáticos ocorrem com muita freqüência a praticamente todas as pessoas. Jung refere a esse conhecimento inconsciente, como "o conhecimento absoluto". 

- Jung citava muito o Talmude, escritos sagrados dos judeus, que diz que o sonho é sua própria interpretação. 

- Jung dizia que se desse a uma pessoa ocidental uma página para ler, que continham apenas palavras do idioma chinês, a pessoa iria devolver a folha e dizer que ali não havia nada escrito, portanto ao havia nenhum significado. 

 - Poderia até mesmo chegar ao absurdo de dizer que o idioma chinês não serve para nada, e teria de descartar um idioma que mais de um bilhão utilizam todos os dias para se comunicar. 

 - Para Jung os sonhos possuem a mesma intensidade de um idioma desconhecido. Requer treino e conhecimento para conseguir decifrá-los, mas empenhar esforço nessa prática será altamente recompensadora.

 - O sonho é uma porta aberta para os mais recônditos e secretos recessos da alma, sendo um auto-retrato espontâneo, em forma simbólica, da situação presente no inconsciente.

 - O sonho, portanto, contribui com o material que estava faltando para a melhora e eventual cura do paciente, daí sua especial importância na terapia. 

 - Então, para Jung os sonhos possuíam essencialmente a função de equilibrar e compensar, afim de manter a harmonia e equilíbrio interior do homem. 

 - Jung estava consciente de que os sonhos podem ser criados por influências do ambiente, por indisposições físicas, e sonhos que são meras repetições de nossas ansiedades cotidianas

- Porém, fazia uma distinção entre cérebro e mente, para ele as imagens contidas nos sonhos não podiam ser reduzidas somente às condições físicas do homem, mas essencialmente envolvem a espiritualidade humana. 

- No inconsciente coletivo existe algo que chamamos de memória ancestral, que habita o indivíduo, e essa memória opera através do inconsciente coletivo. 

- O inconsciente coletivo é um nível do ser que pertence ao próprio indivíduo. Entretanto, esse nível da mente contém as experiências ancestrais, universais que são fornecidos pelas mitologias dos povos.

 - Sonhos arquétipos são aqueles sonhos que possuem conteúdo importante e empregam símbolos arquétipicos em suas comunicações.

 - Existem símbolos universais do inconsciente coletivo que podem aparecer em um sonho e estar carregado de significado como: nascimento, morte, mar, escada, construções em ruínas, serpentes, aranhas, o velho sábio, frutas, nudez ...


 - Esses sonhos narram sobre vida e morte, valores morais, sobre a beleza, a justiça, a bondade, o amor e o destino. Transcendem ao que é pessoal, bem como a mente consciente, e vão às profundezas do inconsciente coletivo. 

*Benefícios constatados entre funções psíquicas dos sonhos e funções na vida cotidiana:
 1. Aprofundar o relacionamento consigo mesmo: ao entrar em contato com os sonhos, o sonhador percebe muitas de suas características psíquicas e emocionais, criando maiores vínculos com sua intuição, modificando atitudes e comportamentos.
 2. Entender melhor os universos externo e interno: ao sonhar, percebemos que existem dois mundos, um que observamos, vivenciamos empiricamente, onde passamos a maior parte de nosso tempo acordados. O outro onde e existimos de uma maneira diferente, pois o inconsciente não está atrelado às questões morais e éticas. Sua lógica de funcionamento é própria, mas ainda assim capaz de nos mostrar o que não vemos acordados.
 3. Relatar o processo de individuação: quando acompanhamos os sonhos, vamos traçando uma história conectada com nosso propósito de vida, amadurecemos e tecemos um caminho que é só nosso, que nos pertence.
 4. Oferecer recursos para uma boa terapia: a aplicação clínica da análise dos sonhos é uma ferramenta importante que dá ao terapeuta a localização do sonhador dentro do processo, seu progresso ou as modificações psíquicas que estão ocorrendo.
 5. Compensar e equilibrar a psique: a principal função ressaltada por Jung é a função compensadora do sonho, por exemplo um evento que gerou muita raiva no sonhador sem que ele pudesse demonstrá-la, gera um desequilíbrio psíquico que pode ser vivido no sonho, como uma situação de briga em que o sonhador diz e age de forma bastante agressiva. Dessa forma, o sonho "alivia" a tensão psíquica gerada pela discordância entre o externo e o interno, ainda que temporariamente. 
 6. Demonstrar o que fazer: muitas vezes o sonho trata de resumir tarefas para o preenchimento de uma condição, etapas pelas quais o sonhador deverá passar para angariar um nível mais elevado de consciência.
 7. Desgastar acontecimentos traumáticos: sonhos reativos são os sonhos que se repetem, evocando situações traumáticas vivenciadas, como traumas de guerra, acidentes graves, catástrofes. Eles ocorrem com o intuito de desgastar a energia que se acumulou em torno do trauma, até que se esgote ou que esta situação possa ser ressignificada pela via consciente. 
 8 . Comunicar-se: sonhos telepáticos caracterizam-se por pessoas que sonham o mesmo sonho ou que conversam no sonho em tempos muito próximos, sem que um necessariamente saiba do outro. Em geral, pode ocorrer entre pessoas distantes ou mesmo entre pessoas próximas que vivenciam o mesmo sonho, na mesma noite e que, conversando, podem descobrir que se comunicaram via inconsciente. São mais raros e muitas vezes podem passar despercebidos, caso falar sobre sonhos não seja um hábito. 
9. Prever acontecimentos: sonhos prospectivos ou premonitórios são sonhos difíceis de identificar, já que somente podem ser percebidos depois que o evento ocorre, de fato.]
Até mesmo para aqueles que acompanham seus sonhos e seu mundo interno de perto, os sonhos premonitórios são difíceis de serem identificados.
Podem tratar de grandes eventos, como morte, gravidez ou acidente, mas também podem falar de prospecções ligadas a fatos cotidianos.
São também raros, porém possíveis. De qualquer maneira, mais do que entendê-los como profecias, eles devem ser entendidos como um rascunho, uma possibilidade preliminar. O sonho premonitório simula para depois vivermos a realidade 
10. Aguçar e promover 'insights' criativos: quantos inventores, cientistas, operadores de bolsa, teóricos e escritores já tiveram suas obras ou trabalhos criados e desenvolvidos a partir de 'insights' obtidos em sonhos? 

- O Sonho Profético existe e é considerado de origem paranormal, quer devido ao fenômeno de telepatia ou como vidência ou precognição, mas considerado muito raro. "Os sonhos algumas vezes podem revelar certas situações muito antes de elas realmente acontecerem". (C.G. Jung, Entrevistas e Encontros).

 "Os sonhos fornecem informações extremamente interessantes a quem se empenhar em compreender o seu simbolismo. O resultado, pouco tem a ver com preocupações mundanas como comprar e vender. Mas o sentido da vida não é explicado pelos negócios que se fez, assim como os desejos profundos do coração não são satisfeitos por uma conta bancária." ( C. G. Jung; citado em "O caminho dos sonhos", Marie-Louise von Franz)

Para os que menosprezam o valor dos sonhos, a prática está cheia de exemplos de pessoas que foram salvas de desastres (sonhos premonitórios), que ganharam algum prêmio, foram curadas de doenças ou presentiram a morte de alguém. 

 Sonhos Premonitórios e Telepáticos Diferente do pressentimento, o evento premonitório é mais específico, podendo se dar em estado de vigília ou durante o sono, por sonhos, como o que vem a seguir: 
"Alguns meses antes da morte de minha mãe, em setembro de 1922, tive um sonho que me anunciava isso. Este sonho dizia respeito a meu pai e me causou grande impressão: desde sua morte (1896),  jamais sonhara com ele e eis que me aparece num sonho, como se tivesse voltado de uma longa viagem. Parecia rejuvenescido e não manifestava qualquer autoridade paterna. Estava ao meu lado, em minha biblioteca e eu me alegrava por saber que ele chegara. Sentia-me particularmente feliz por lhe apresentar minha esposa, meus filhos e contar-lhe tudo o que tinha feito, mostrando-lhe o homem que me tornara. 
Queria também falar de meu livro 'Os Tipos Psicológicos', recentemente publicado, mas imediatamente notei que esses assuntos o importunavam porque parecia preocupado. Tinha o ar de quem esperava qualquer coisa. Eu percebi e por isso me mantive reservado. Disse-me então que por ser eu psicólogo gostaria de consultar-me sobre a psicologia do casamento. Dispunha-me a dissertar longamente a respeito das complicações da união conjugal, mas nesse momento acordei. Não pude compreender o sonho como deveria, pois não tive a idéia de que era preciso ligá-lo a morte da minha mãe. Só o compreendi quando ela morreu subitamente em janeiro de 1923." (Jung)

  Referências bibliográficas:
 JUNG, C. G. Memórias, sonhos, reflexões. Editora Nova Fronteira. Rio de Janeiro.
 JUNG, C. G. O homem e seus símbolos.. Editora Nova Fronteira. Rio de Janeiro
 PERROT, Etienne O caminho da transformação segundo Jung e a alquimia. Editora Paulus. São Paulo 1998
 KAPLAN-WILLIAMS, Strefon Elementos da sonhoterapia. Ediouro. Rio de Janeiro, 1998. 
TANNER, Wilda - O mundo místico, mágico e maravilhoso dos sonhos. Editora Pensamento. São Paulo 97/00. 
Jung e a Mediunidade - Djalma Argollo 1ª Edição - Copyright 2004 - Palestra proferida na Escola de Filosofia à Maneira Clássica Nova Acrópole que fica no bairro de Manaíra, na cidade de João Pessoa, capital do estado da Paraíba, Brasil.
CHAMPLIN; Darrel. O portal dos sonhos. Editora: Publisher Brasil. São Paulo. 2002 
FADIMAN; James. Teorias da Personalidade. Editora: Harbra. São Paulo. 2003
Italo Jorge Furletti - Psicólogo clínico
Fatima Vieira - Psicóloga Clínica

10 comentários:

Anônimo disse...

eu tenho sonhos estranhos, com morte de pessoas, eu sinto a agonia daquelas pessoas, acordo chorando e parece que eu estava la, as vezes não acontecem com aquelas pessoas que sonhei, as vezes acontecem com outras pessoas, e tambem não sei discernir a que horas vai acontecer, as vezes ate ja aconteceu!! não sei se é coincidencia ou realidade!

psique disse...

Anônimo: sinto muito não poder ajudar você, tenho sonhos semelhantes e não sei o que fazer. Minha mãe é sensitiva e diz que consegue desprogramá-los através das preces.
indico: http://www.sonhoslucidos.com/search/label/Mestres%20dos%20Sonhos

gunner disse...

Muito interessante. Eu costumava ser muito cético sobre este tipo de coisa, mas mudei drasticamente minha visão depois que comecei a fazer terapia e depois de ter passado por algumas experiencias.A mais recente foi um sonho de acidente de automovel, onde no final do sonho eu vi meu carro todo amassado, destruido e de alguma forma ao abrir o porta malas dele havia pedaços de outro carro branco totalmente destruido. O sonho me marcou bastante ao acordar, vieram todos os detalhes bem claros a minha mente, mas ao passar do dia eu o esqueci completamente. Ao fim da tarde (no mesmo dia do sonho) voltando já pra casa, sofri um acidente e foi justamente um carro branco a bater no meu carro! Isso me fez deixar pra traz qualquer ceticismo que carregava comigo, não há coincidências.

psique disse...

Gunner,
Eu não tão cética assim, mas procuro me orientar de forma científica. Entretanto, muitos episódios que ocorrem na minha vida eu não não tenho explicação tão lógica. A abordagem cartesiana/ mecanicista não dá conta. E quando encontro pessoas como você ou em consultório pacientes que relatam experiências semelhantes fico feliz. O último sonho premonitivo ocorreu em julho de 2012, com precisão de detalhes foi impressionante. Desta vez foi um bom sonho, cheio de magia e sincronicidades! Enfim, como dizia Clarice Lispector: sobrenatural é a vida!

Anônimo disse...

Quase tudo que sonho acontece, dificilmente sonho com coisas bobas. Desde criança tem sido assim.sempre meus sonhos estão relacionados com algo real, sonho com números, datas, pessoas, e nunca ficam sem resposta. Sempre me lembro por volta de 10 a 15 sonhos por noite.

Anônimo disse...

Olá Fátima, nos últimos dias tenho sonhando com chuvas fortes, com água chegando a entrar em casa e enxurradas fortes. As águas que aparecem nesses sonhos são quase sempre muito claras, só uma vez apareceu uma enxurrada um pouco escura, mas não muito. Gostaria de saber o que significa.
Vanusa

psique disse...

*Oi Vanusa,
*Água: remete ao Inconsciente, símbolo universal para a emoção. *Surgimento da vida, a vida vem da água, daí sua simbologia estar ligada à matrix - mãe. *Simboliza também o Espírito. *É um símbolo de purificação, de renascimento para uma vida nova.
*Enxurrada, dilúvio, inundação: Símbolo de depuração e renascimento... banho simbolicamente refere ao batismo e nos textos de alquimia está relacionado a operação da 'Solutio' e nos diz que ao passarmos pela água da 'Solutio', tornamo-nos inteiros pois podemos nos relacionar com o Si-mesmo ou self, 'nosso eu profundo'... (Jung)
*Logo, uma inundação sugere que uma infinidade de sentimentos profundos estão querendo vir à tona. "A inundação está para a água como o incêndio para o fogo… A água fecunda e purifica, batiza e faz nascer, ao passo que a inundação infiltra-se, mina e destrói, fazendo tombar as mais audaciosas construções." (Pierre Real - Dos Sonhos aos Símbolos). *Você diz: "As águas que aparecem nesses sonhos são quase sempre muito claras, só uma vez apareceu uma enxurrada um pouco escura..." *Observe como você está nutrindo a si e aos outros. *Selecione o que precisa ser nutrido em você, para que essa inundação não a leve pra longe de sua alma...arrasando seu espaço sagrado... lá onde ainda se tem a chance de ser livre. *Excessos de informações jorram de todos os lados para nos condicionar e nos moldar... Se penetrarem num inconsciente despreparado, na certa o afogaria... Um Abraço Fatima Vieira

Anônimo disse...

Obrigada Fátima.Abraço.
Vanusa

Carlos Campos de Raphael disse...


07 de julho de 2017:
Olá Fatima! Aos 53 anos da idade física, eventos significativos levou-me a buscar respostas mais amplas sobre fatos que ocorrem para além da vontade consciente do ego e lei do karma, (do sânscrito: 'escolha e ação'). Ansiava por tais respostas, e ao abrir aleatoriamente uma página de 'O Segredo da Flor de Ouro', li: 'A Psicologia Moderna traz uma Possibilidade de Compreensão'. Era um texto de Carl Jung, explicando a correlação psíquica entre os eventos externos e internos (que inclui logicamente também os sonhos significativos). Ali abriu-se uma porta inesperada para compreender os eventos inesperados, em dado momento de nossas vidas, constelados pelo nosso ser interior 'Self', ... E este "presente" artigo estou hoje compartilhando no meu https://anjosensinosluz.blogspot.com/ onde repasso tudo o que pode ampliar a compreensão sobre o propósito maior por trás das nossas experiências da vida... (Carlos Campos de Raphael).

psique disse...


Olá Carlos Campos de Raphael estive visitando https://anjosensinosluz.blogspot.com/ ... um espaço cheio de magia... obrigado! Abraço Fatima Vieira