quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Independência do Brasil: 195 anos e Ainda Não Construímos Uma Nação Para Todos.

                                                                 Roque Sponholz
                                                                              
*Independência do Brasil: 195 anos e ainda não construímos uma nação para todos.

*Não foi por falta de luta e mobilização.

*Mas toda vez que chegamos perto, ocorreu um golpe a favor de interesses estrangeiro.

*Foi assim com Vargas em 1954, com Jango em 1964, com Tancredo em 1985 e com Lula e Dilma em 2016.

*Toda vez que a vida do trabalhador brasileiro começa a melhorar por um governo minimamente comprometido com o povo, os muito ricos aliam-se ao imperialismo, rompem a ordem institucional, fazem uma caça às bruxas e quando o regime fica insustentável, soltam as rédeas.

*As forças de resistência em geral cometem os mesmos erros: isolam-se, caem em luta fratricida, não analisam os erros e/ou acertos das experiências anteriores, tendem a esperar uma saída messiânica com um salvador e subestimam a necessidade de construir uma ampla unidade em torno de um projeto.

*É preciso ter em mente que sim: trata-se de uma conspiração para reorientar a política externa brasileira em favor dos interesses dos Estados Unidos e garantir a pilhagem dos recursos naturais e econômicos do país para o grande capital financeiro internacional.

*Algo como a volta a uma condição de "semi"-colônia "semi"-escravista, com traidores quinta-colunas bem posicionados em órgãos de Estado nos três poderes, na mídia e no grande empresariado.

*A luta para derrotar o golpe é hoje a luta pela Independência nacional. Mais do que nunca precisamos construir a unidade: Lula, Ciro, Requião, Jandira, os movimentos sociais, sindicais, as entidades juvenis e estudantis, ambientais, todos os setores que puderem se juntar contra os exercícios militares dos Estados Unidos na Amazônia, contra a entrega da base de Alcântara, contra a instalação de uma base estadunidense na cabeça do cachorro e contra a exploração da Renca. 

*A defesa da Amazônia vai unir o Brasil! 

*Hoje, a luta contra a privataria de Temer, Alckmin, Pezão e Dória posiciona os entreguistas vendilhões da pátria na trincheira oposta à dos verdadeiros patriotas que lutam pela soberania nacional.

*O Brasil não será uma teocracia como pretende Crivella e suas ovelhas, nem um país fascista, machista e racista como pretende Bolsonazi.

*O Brasil será um país rico, soberano e desenvolvido, capaz de garantir o bem-estar a toda sua população.

*Esse é o projeto que deu o primeiro passo em 1822, o segundo em 1888, o terceiro em 1930 e o quarto em 1985.

*Não podemos retroceder em nenhum desses avanços, mas ao contrário, sair da defensiva e ganhar corações e mentes em defesa da verdadeira independência do Brasil. 

Fonte: Thomas de Toledo - Historiador pela FFLCH/USP, mestre em Desenvolvimento Econômico pelo IE/Unicamp, Professor de Relações Internacionais e ex-Secretário Geral do Cebrapaz.

domingo, 27 de agosto de 2017

(...)


Frédéric Chopin (1810-1849)

É sempre muito prazeroso ouvir Chopin.
Sua sensibilidade e delicadeza beiram o absurdo. 
É o romantismo excessivamente lírico e angustiadamente triste... que geram uma sensação de grande bem-estar e leveza. 

Ψ Dia Do (a) Psicólogo (a) - 27 de agosto

*Jacques Lacan (1901-1981), o transtorno mais grave que uma pessoa pode ter é ser, digamos, “normal”.

Calligaris fala sobre a Normalidade'Somos mais loucos do que nos imaginamos'.

*Então a 'normalidade' é um transtorno como outro qualquer?  -  Não, é mais grave.

*(...) Somos todos neuróticos, em tese. Graças a Deus, realmente normais são muito poucos.
*Somos todos neuróticos. Mais loucos do que nos imaginamos – loucos, digo psicóticos –, e em certo número, somos todos, enquanto neuróticos, capazes de ser perversos de vez em quando.

*E o que é ser “normal”?
Pois é… Será que as pessoas querem ser normais? Normais ou não julgadas?
Eu acho que o neurótico médio – que somos todos nós – sonha, idealiza o louco.
Ele acha que o louco é “o cara”. E sonha em ser perverso. Ou seja, em ser alguém que realmente não teria todos os impedimentos que a neurose nos coloca, os registros de culpa, as inibições.

 (...) Uma pessoa realmente normal é alguém tem um registro de experiência miserável, extremamente pobre.

*Pode ser que seja relativamente pouco sofrido, mas é também dramaticamente desinteressante.

*Às vezes, 'normais' são pessoas que têm ou tiveram uma insuficiência cultural-afetiva muito grande.

*Não é elaborar a experiência no sentido de falar as suas experiências, mas sabe aquela coisa que você atravessa a vida, vê as coisas e isso não lhe evoca nada?

*Tudo acontece como está acontecendo e isso não me evoca nenhuma lembrança.

(...) Porque você, sem dúvida, tem um nível de tormento individual, de angústia, muito menor do que o neurótico médio.  Mas, esse tipo de normalidade é construída de maneira extremamente sólida e eficiente em cima de um vulcão adormecido.

*Não garanto que os meus pacientes venham, sei lá, a sofrer menos ou a ter uma vida mais tranquila. Aliás, o que eu espero é que tenham uma vida mais interessante.

*Sobre Cura e Alta em Psicoterapia
*Existe, mas é uma transformação.

*Porque na medicina, em tese, curar significa trazer você ou levar você a uma espécie de volta à situação anterior.

*Quer dizer, você está com gripe, você quer ficar como antes da gripe.

*No campo “psi”, isso não existe.

*Você tem uma depressão, você não vai poder voltar ao que era antes da depressão.

*Pode se tornar outra coisa, que não é nem a depressão que você tem agora, nem o que você era antes.

*O processo é transformador. Então, “curar” é sempre um pouco problemático.

*E, além do mais, a apreciação é subjetiva, porque, afinal, é o paciente quem vai dizer que está melhor ou que está suficientemente bem para poder, por exemplo, parar um tratamento. A apreciação é dele. 

Fonte: http://www.revistadacultura.com.br/entrevistas/conversa/14-02-28/Mais_loucos_e_perversos_do_que_nos_imaginamos.aspx

 Ψ Fatima Vieira - Psicóloga Clínica

sábado, 12 de agosto de 2017

Dia Dos Pais

*Snezhana Soosh, com seus belos desenhos de derreter corações ... quer ser uma inspiração para todos os futuros pais.
*Soosh, mostra o  pai como uma figura enorme, talvez porque ele é visto assim através dos olhos de uma criança ... 
Eu sempre quis ter um relacionamento terno e amoroso com meu próprio pai, mas ele não sabia como mostrar seu amor, então a maior parte do tempo era distante e frio".(Snezhana Soosh)









quinta-feira, 27 de julho de 2017

Pink Floyd - Não Vire As Costas

                                                                     

Não vire as costas
aos exaustos e oprimidos ... 
                                                        
(...) "Não aceite o que está acontecendo                                                                                 
como só um caso do sofrimento alheio... 
                                                     
(...) Levados por um coração de pedra                                                                                    Perceberíamos que estamos todos sozinhos                                                                         No sonho dos orgulhosos  

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Ψ Freud, Drogas Psicoativas e o Chocolate...

A história de como uma substância estimulante e ainda não proibida ajudou a fundar as bases da psicanálise.

"Se tem uma pessoa que podemos responsabilizar pela popularização da cocaína como fármaco recreativo é Freud"(Dominic Streatfeild)

*O fundador da Psicanálise, Sigmund Freud, uma vez disse que apenas três revoluções científicas tinham conseguido derrubar a humanidade de seu poleiro como suposto centro do universo.

1. Copérnico, que mostrou que a Terra era só um pequeno corpo orbitando o Sol no meio de uma vastidão inconcebível.

2. Darwin, que demonstrou que o homem não era a criação privilegiada de Deus, mas um descendente dos macacos, "implicando que não havia uma natureza inerradicável nele".

3. Finalmente, refere Freud, "O desejo de grandiosidade do homem agora sofre seu terceiro e mais amargo golpe com a pesquisa psicológica da atualidade, tentando provar ao 'ego' de cada um de nós que ele não é o mestre em sua própria casa, mas que deve se contentar com restos de informação sobre o que está acontecendo inconscientemente na sua própria cabeça".

(...)  a psicanálise deve muito de seu surgimento às extensas experimentações de Freud com o pó, que na época estava disponível em todo lugar e custava o mesmo que qualquer xarope na farmácia. A cocaína influenciou a psicanálise (da descoberta da "estrada real do inconsciente" nos sonhos à terapia baseada nisso).

*Mastigar folhas de coca, por exemplo, é algo bem usual há milênios pra quem vive ou visita os Andes.

*A cocaína, só foi sintetizada em 1855 por Freidrich Gaedcke, que nomeou a substância como "eritroxilina".

*Somente cerca de 1880, o produto adquiriu o nome de "cocaína", além de um refinamento de seu processo de purificação, e passou a ser apontado como a cura pra tudo pelas empresas farmacêuticas que a produziam.

*Freud descobriu a nova droga por meio de um jornal chamado Therapeutic Gazette, de propriedade de Parke-Davis, uma subsidiária da Pfizer, que o patrocinou inicialmente com US$ 24 [cerca de R$ 72] para endossar seus produtos.

*A Merck também mandou amostras para o ambicioso assistente de pesquisa de neuropatologia da Universidade de Viena. Nem é preciso dizer que ele se tornou um entusiasta do produto.

*Nessa fase, Freud ainda farejava o grande avanço que faria seu nome, tendo conseguido alguns pequenos sucessos com um método para colorir tecido nervoso e um trabalho teorizando a possível localização dos testículos das enguias.

*Seus experimentos com a droga seria seu bilhete para a fama e fortuna, ele achou, fornecendo um toque de glamour e celebridade para o velho mundo da medicina acadêmica. Recebeu seu primeiro lote em abril de 1884, e começou a experimentar em si mesmo imediatamente. Tudo em nome da ciência.

*Tanto os efeitos físicos como mentais foram instantaneamente atraentes, e em correspondências Freud descreveu como ele tinha começado a usar o pó "contra depressão e indigestão, e com o maior sucesso" (e sem dúvida notando que os efeitos eram mais interessantes que o do sal de frutas).

*Ele publicou um trabalho, "Über Coca", no qual descrevia "a mais linda excitação" na primeira vez que ingeriu o medicamento, uma "exaltação e euforia duradouras", além de notar a supressão da fadiga e da fome.

*No entanto, Freud foi menos óbvio em se tratando das propriedades viciantes e efeitos colaterais da cocaína, escrevendo: "Me parece digno de nota - e descobri isso em mim mesmo e em outros observadores capazes de julgar coisas assim - que uma primeira dose ou mesmo doses repetidas de coca não produzem desejo compulsivo de usar mais do estimulante; pelo contrário, a pessoa sente uma certa aversão desestimulada com a substância".

*Talvez o bom médico imaginasse que não era dependente simplesmente porque nunca chegou ao fim do estoque que ganhou de brinde.

*Como o amigo porquinho da índia, Bez, Freud devia estar sempre uma carreira à frente da síndrome de abstinência. "Se uma pessoa trabalha intensivamente sob influência da coca, depois de três ou cinco horas há um declínio da sensação de bem-estar, e mais uma dose de coca é necessária para se livrar da fadiga..."

*Freud logo estava mandando amostras do remédio para amigos da profissão, citando suas aplicações em potencial como estimulante mental, um tratamento para asma e transtornos alimentares, e afrodisíaco... e, de maneira alarmante, como uma cura para o vício em morfina e álcool.

*Ele introduziu o produto a Ernest von Fleischl-Marxow, um amigo psicólogo que tomava morfina para a dor crônica que sofria depois de ferir o dedão dissecando um cadáver.

*Em vez de neutralizar seu vício, isso apenas acrescentou outro ao caldeirão... (Fleischl-Marxow, logo estava gastando seis mil marcos por mês com o novo hábito, e morreu sete anos depois, com 45).

*Uma aplicação médica de maior sucesso foi encontrada por um amigo oftalmologista, Karl Koller, o primeiro a descobrir que os efeitos amortecedores da cocaína poderiam ser úteis como anestésico local em operações do olho.

*Mas Koller não adquiriu o mesmo gosto pessoal que Freud pela droga...  (uma amostra nunca usada foi  encontrada em 1995 entre seus documentos).

*Eram com tal zelo que os colegas de Freud estavam experimentando em si mesmo a panaceia em pó que as coisas devem ter ficado cabeludas, com as curas milagrosas se mostrando um pouco exageradas.

*Por exemplo, o Dr. Wilhelm Fleiss - um otorrinolaringologista alemão - publicou um trabalho intitulado "A Relação Entre o Nariz e os Órgãos Sexuais Femininos", no qual especulava que o nariz era um microcosmo do corpo, e que qualquer doença poderia ser tratada achando a localização correspondente na napa e aplicando a cocaína ali, uma teoria que Freud curtiu tanto que acabou precisando de cirurgias para desobstruir o nariz, assim como Fleiss.

*E enquanto tentavam tratar uma mulher com histeria - uma neurose que então se acreditava emanar do útero - Freud e Fleiss estragaram a operação e quase mataram a paciente, depois imortalizada como "Irma" em 'A Interpretação dos Sonhos', em que Freud relembra o episódio que hoje o levaria à desgraça, perda da licença médica e até processo e cadeia.

*Freud começou a elaborar as teorias que formariam a base da psicanálise - conceitos como o id, ego e superego; libido como uma energia sexual que flutua livremente; o Complexo de Édipo - enquanto distribuía quantidades de cocaína para os vienenses neuróticos de classe média que vinham conversar, interminavelmente, com ele sobre seus problemas que sempre, achava Freud, acabavam sendo seus pais ou sua má adaptação às normas burguesas (que continuaram intocadas, tornando a psicanálise uma disciplina capitalista).

*Então foi assim que a crítica de Gilles Deleuze e Félix Guattari da Psicanálise, 'O Anti-Édipo', retratou nas três fases da carreira de Freud: "o elemento exploratório, pioneiro e revolucionário" onde o desejo de forma livre da libido foi descoberto; o classista que então impôs o mito edipiano naquela fábrica latejante do inconsciente, prendendo o desejo à família; e finalmente o terapeuta que criou a "interminável cura pela fala". ... Ele era "um fantástico Cristóvão Colombo, um brilhante leitor burguês de Goethe, Shakespeare e Sófocles, e um Al Capone mascarado".

(...) Apesar da popularidade duradora entre aqueles com grana pra torrar em papos solipsistas, muitos consideram a psicanálise uma disciplina desacreditada, que só serve para piadas internas em Frasier.

*Seus críticos já a consideraram uma pseudociência (o próprio Freud esperava que suas construções teóricas barrocas mais tarde fossem provadas por neurocientistas), antes mesmo que o hábito - que alguns classificariam mais como abuso de substância que vício - de seu fundador fosse descoberto.

*Céticos apontam a influência da cocaína em sua maior obra, 'A Interpretação dos Sonhos', no qual o modelo, parece, foi um devaneio de livre associação febril induzido pelo pó: "Me vejo como um boneco de neve, uma cenoura como nariz, parado num vasto campo de neve pristina, que de repente derrete, como eu, meu nariz caindo e me deixando com um sentimento de profundo vazio." 
... "Isso é sobre ansiedade de fertilidade: a cenoura é seu pênis..."


*Um dia na vida você conhece aquela pessoa - a rara pessoa que não gosta de chocolate.

*O resto do mundo não só gosta, como deseja chocolate mais do que qualquer outra guloseima.

*Na verdade, muitos estudos psicológicos usam o chocolate como o santo graal da larica, o ingrediente que nos faz salivar a menor menção ao ingrediente.

*Então, quando surgem estudos ligando o chocolate a uma saúde melhor, estamos mais que dispostos a acreditar.

*Veja a descoberta de 2015, por exemplo, de que uma barra de chocolate por dia ajudava na perda de peso. A notícia circulou desde o The Irish Examiner até estações de TV no Texas.

*Que pena que era só uma armação bem elaborada, para mostrar a cobertura preguiçosa da mídia em pesquisas científicas para um documentário expondo a indústria de dietas.

*E quando um estudo no jornal Heart, ligou o consumo de chocolate a uma redução do risco de fibrilação atrial - uma irregularidade dos batimentos cardíacos potencialmente mortal -  as manchetes declararam a sobremesa boa para o coração mais uma vez. Isso apesar de os autores do estudo escreverem, logo no resumo, que "perturbação residual não pode ser descartada".

*Um editorial que acompanhava o estudo previa a cobertura positiva da mídia - É excitante pensar no potencial de anúncios de saúde pública divertidos, como 'Coma mais chocolate para prevenir fibrilação atrial!' ou 'Um chocolate por dia mantém o cardiologista longe!', (Sean Pokorney e Jonathan Piccini).

*Ainda assim, os pesquisadores advertiram que slogans encorajadores do consumo do chocolate poderiam ser prematuros.

*Por exemplo, os consumidores de chocolate no estudo eram mais saudáveis, tinham mais estudo e se exercitavam mais que aquelas pessoas que passam meses sem comer um pedacinho de chocolate - significando que você não pode provar que foi o doce que fez diferença em seus batimentos cardíacos.

*Questões assim surgiram em estudos sobre nutrição de maneira geral, e sobre chocolate em particular, o que dificulta que um leitor médio desse tipo de assunto (eu e você) tenhamos dificuldades de tirar alguma informação útil da pesquisa.

*Estudos observacionais como o que citamos envolvem pegar um grupo grande de pessoas, pedir a elas que digam o que estão comendo (usando questionários de frequência de consumo, que os próprios autores apontam que levantam preocupações com "falta de memória") e aí ver as associações entre o que as pessoas dizem que comem e os tipos de problemas que elas desenvolvem - ou não - ao longo do tempo.

"O chocolate apareceu como um fator, mas outros alimentos também podem ser [na prevenção a doenças cardíacas]. É por isso que você não pode dizer que chocolate é a causa de uma redução na fibrilação atrial; essa observação pode vir de vários outros fatores"...  diz Marion Nestle (que não tem relação com os fabricantes chocolate), professora de nutrição, estudos alimentares e saúde pública da Universidade de Nova York, nos EUA).

*Ela também mencionou os problemas da falta de memória: "Acho essas coisas [questionários de frequência de consumo] impossíveis de preencher, porque não lembro o que comi com tanta especificidade".

*Outros estudos já ligaram cacau ou chocolate a uma redução no risco de insuficiência cardíaca, diabetes, derrame e declínio cognitivo.

*Quando estudos descobrem associações entre certos alimentos e benefícios à saúde, os cientistas geralmente trabalham de trás para frente para entender o porquê.

*No caso do chocolate, eles suspeitam que um composto chamado flavano-3-ol -  encontrado também em chás e vinho tinto - merecem muito do crédito.

*O flavano-3-ol parece aumentar a produção de óxido nítrico no corpo, um composto que dilata as veias e artérias, fazendo o sangue fluir com maior eficiência. Isso inclui o cérebro, o que pode explicar os efeitos do chocolate no humor e cognição.

*O flavano-3-ol também impede que as células vermelhas se tornem perigosamente grudentas e parece aumentar a sensibilidade à insulina, melhorando nossa capacidade de usar esse hormônio para converter açúcar em energia e afastar a diabetes, diz  a nuticionista Georgie Fear (Lean Habits For Lifelong Weight Loss).

*Testes controlados aleatórios (2016) - o padrão de ouro para medir a eficácia de dada intervenção, seja uma nova droga ou uma barra de chocolate - encontrou evidências de que 200 a 600 miligramas de flavano-3-ol por dia melhoram a sensibilidade à insulina e os níveis de colesterol. 

*E um estudo publicado pela Cochrane Database of Systematic Reviews, muito respeitada por seus resumos cuidadosos de pesquisas médicas, descobriu que uma dose média de 670 miligramas reduz a pressão arterial em cerca de quatro pontos em pessoas com hipertensão.

*Testes de longo prazo são necessários para determinar se o consumo de chocolate pode prevenir coisas como ataques cardíacos e diabetes.

*Nos dois casos, os revisores de pesquisa apontaram que testes de longo prazo são necessários para determinar se o consumo de chocolate ou flavano-3-ol, com o tempo, tem realmente um impacto em prevenir coisas como ataques cardíacos e diabetes - em outras palavras, se isso realmente pode melhorar a saúde e estender a vida.

*Isso é importante de se medir porque, mesmo se o flavano-3-ol tem benefícios, eles podem vir num pacote com calorias, açúcar e gorduras extras, diz a nutricionista da Filadélfia Libby Mills, porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética. Então é importante considerar a imagem maior quando estiver tomando decisões nutricionais.

*Outra questão: muitos desses estudos sobre os benefícios para a saúde do chocolate (mas não o estudo sobre fibrilação atrial) são financiados pela indústria do cacau.

*Na verdade, o fabricante dos M& Ms, Snickers e outros doces estabeleceu em 2012 o Mars Center for Cocoa Health Science especificamente para esse tipo de pesquisa.

*A empresa também vende um suplemento chamada CocoaVia, que diz "promover um fluxo sanguíneo saudável da cabeça aos pés" - apesar de, como muito suprimentos, essas afirmações não serem avaliadas pelo FDA (The Food and Drug Administration).

*O financiamento da indústria não significa que um estudo é, automaticamente, inválido, mas indica que os resultados tendem a vir com conclusões mais favoráveis e exigem "interpretações cuidadosas" ... (Marion Nestle).

*E aí tem a questão da dosagem. Testes controlados aleatórios podem usar barras de chocolate, bebidas feitas à base de cacau, ou cápsulas como o CocoaVia.

*Mas em cada caso, eles são calibrados precisamente para entregar um número específico de miligramas de flavano-3-ol, um número que não está incluindo nas informações nutricionais de uma barra de chocolate que você compra no mercado, por exemplo.

*Quanto mais amargo o chocolate melhor, diz Fear. Chocolate branco, por definição, não contém nenhum flavano-3-ol.

*Um estudo do Journal of Functional Foods apoia a noção de quanto maior a porcentagem de cacau num chocolate amargo, mais flavano-3-ol ele contém.

*Mas ainda não é possível ter certeza exatamente de quanto de flavano-3-ol você está absorvendo.

*Suplementos prometem altas doses com menos calorias, mas grupos de teste de consumo desses produtos dizem ter encontrado uma variação grande de níveis de flavano-3-ol e até alguns contaminantes (e diferente de medicamentos prescritos ao até de venda liberada em farmácias, o FDA não regula exatamente o que entra nesses suplementos).

*Apesar de acreditarem que cacau e chocolate contém substâncias que promovem a saúde cardíaca, nem Mills nem Fear aconselham pessoas que não comem chocolate a começar a comer o doce agora.

*Afinal de contas, você consegue as mesmas vantagens de alimentos com muito mais nutrientes que contém mais vitaminas, minerais e outros compostos com cada caloria.

"Se podemos conseguir flavano-3-ol em chás, frutas ou vegetais, essa é a primeira coisa que eu recomendaria fazer", disse Mills.

*Mas há outro benefício importante para considerar: comer alimentos que você realmente gosta: "Nunca conheci alguém que não gostasse de consumir algum tipo de doce", disse Fear.

*Para muitas pessoas, o consumo de chocolate é mais fácil de controlar que outras sobremesas; entre uma fornada de brownies ou  um pote de sorvete, você pode se exceder, mas alguns quadrados de uma barra de chocolate de qualidade parecem muito mais satisfatórios.

*Acrescente a isso o fato de que o chocolate pode ter alguns benefícios para a saúde, e essa pode ser uma escolha mais inteligente para sua larica de doce.

*Fonte: Esta matéria foi originalmente publicada na VICE UK - Tradução: Marina Schnoor

Ψ  Fatima  Vieira - Psicóloga Clínica 


sábado, 8 de julho de 2017

G20/ 2017 e a fome no mundo cita Brasil como inspiração...

"Considero um escândalo ético e político a comunidade mundial até hoje não ser capaz de empreender um esforço para dar fim à pior miséria no mundo".             (filósofo alemão Julian N. Rümelin)


"Você tem que entender, ninguém coloca seus filhos em um barco a menos que a água seja mais segura do que a terra."
(Warsan Shire - poeta britânico-somali)  
*MUNDO: Resultados da luta contra a pobrezva devem ser celebrados?
Enquanto manchetes negativas predominam, pesquisadores e autores tentam enfatizar os avanços alcançados no combate à miséria e à fome mundo afora – e o Brasil é inspiração. Organizações humanitárias mantêm alarme.

*Fome na Somália - Distribuição de alimento na Somália - Miséria, fome, crises migratórias: na cúpula do G20, que se realiza em Hamburgo, não há como deixar de ouvir os alertas sobre um possível colapso do mundo. No entanto, estatísticas recentes apontam que há esperança na luta contra a pobreza extrema, doenças e conflitos.

"As condições de vida estão cada vez melhores. Em todo o mundo a pobreza recuou maciçamente", afirma o pesquisador alemão Max Roser, que atua na Universidade de Oxford e integra o número crescente de economistas, políticos e jornalistas dispostos a contrapor uma visão positiva às notícias apocalípticas.

*No site Our World in Data (Nosso mundo em dados), Roser apresenta, em gráficos interativos, resultados positivos de projetos sociais de organizações humanitárias, das Nações Unidas e de governos na luta global contra a pobreza e a fome.

*Brasil como inspiração - A inspiração para o projeto surgiu depois que Roser passou alguns meses no Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade, no Rio de Janeiro, em 2011, em viagem de pesquisa.

*Os programas sociais do governo brasileiro da época, que retiraram da pobreza mais de 20 milhões de cidadãos, o fizeram decidir-se a reunir as tendências positivas num livro.

*O economista mostra que, desde 1990, o número de subnutridos no mundo caiu em 216 milhões. No Sudeste da Ásia, eles passaram de 30,6% da população total para 9,6%. Na África Ocidental, a redução foi de 24,2% para 9%; e na América Latina e Caribe, de 14,7% para 5,5%.

*Em sua coluna Früher war alles schlechter (Antes, tudo era pior), na revista alemã Der Spiegel, o jornalista Guido Mingels também afirma que "o trabalho das últimas décadas está rendendo" ... "Embora haja cada vez mais seres humanos no planeta, ao mesmo tempo há cada vez mais alimento per capita." O livro de Mingels é best-seller na Alemanha.

*Ainda muito trabalho a fazer - As boas notícias, no entanto, não ocultam o fato de que ainda há muito a fazer em prol de um mundo mais justo. Segundo o Programa Alimentar Mundial da ONU, 795 milhões de pessoas ainda são pobres demais para se alimentar devidamente.

*Na África, 154 milhões não têm formação escolar, e na Ásia, chega a 472 milhões. Também a malária, doença frequentemente fatal, não está erradicada, e em 2015 matou 400 mil no continente africano.

*Para organizações humanitárias como a Deutsche Welthungerhilfe, esse sofrimento está em primeiro plano e, como comenta em seu relatório anual sobre a fome no mundo, "não há motivo para suspender o alarme".

*Embora a fome nos países em desenvolvimento tenha retrocedido 29%, desde o ano 2000, "as melhorias precisam ser aceleradas urgentemente, a fim de alcançar até 2030 a meta de 'fome zero', salienta a ONG alemã.

*Nem desesperar, nem minimizar - Apesar da dinâmica positiva registrada por certos autores, as manchetes negativas dominam. "Considero um escândalo ético e político a comunidade mundial até hoje não ser capaz de empreender um esforço para dar fim à pior miséria no mundo", escreve o filósofo alemão Julian Nida-Rümelin num artigo para o portal Heute.de. A seu ver, não faltam recursos para tal.

*Por sua vez, Roser e Mingels tentam afastar o medo do apocalipse e encorajar o engajamento. "Quem só quiser se fixar no número dos 795 milhões de famintos, pode e vai se desesperar", admite Mingels.

*O fato de que hoje menos seres humanos passam fome do que há 20 anos também não autoriza a minimizar os problemas existentes, diz o colunista. "Só significa que muita coisa está ficando melhor."
Fonte: DW

sexta-feira, 7 de julho de 2017

(...)

"Um homem pode ser ele mesmo apenas enquanto ele está sozinho; 
e se ele não ama a solidão, ele não vai amar a liberdade;
pois é somente quando ele está só que ele é realmente livre". (Schopenhauer)

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Ψ "Corpus Christi" - porque Ele viveu tão completamente... ganhou até o corpo da ressurreição.

(...) Se o conflito projetado deve ser curado, ele deve retornar à psique do indivíduo, onde teve seus começos inconscientes.

*Cada individuo deve celebrar uma Última Ceia com ele mesmo, e comer sua própria carne e beber seu próprio sangue...

*O que significa que ele deve reconhecer e aceitar o outro em si mesmo...

*Este é talvez o significado do ensinamento de Cristo, que cada um deve suportar sua própria cruz?

*O Espírito está destinado a ser encarnado no homem ou a escolhê-lo como uma morada transitória.

*Não se pode receber o Espírito Santo a menos que tenhamos aceitado nossa própria vida individual como Cristo aceitou a dele... e amar o outro como a nós mesmos... 


*Pois, se você tiver que suportar a si mesmo, como você poderá  excluir o outro?

"O mistério da Eucaristia transforma a alma do homem empírico, que é apenas uma parte de si mesmo, em sua totalidade, simbolicamente expressa por Cristo".

*Neste sentido, portanto, podemos falar da Missa como o rito do processo de individuação.

*Ele disse: "Meu reino não é deste mundo".

(...) mas o reino foi, mesmo assim: "O fracasso total veio na Crucificação nas palavras trágicas: "Meu Deus, meu Deus, por que Você me abandonou?"

"Se você quer entender a tragédia completa dessas palavras, deve perceber o que Ele quis dizer: Cristo viu que toda a sua vida, dedicada à verdade de acordo com sua melhor convicção e experiência honesta tinha sido uma terrível ilusão.
*Mas houve uma compensação: Na cruz, sua missão o abandonou. Mas porque Ele viveu tão completamente e com devoção, ganhou até o corpo da ressurreição.

Fonte: Jung - Psicologia e religião/ e Mysterium Coniunctionis
Ψ Fatima Vieira - Psicóloga Clínica 

Ψ Só a Vida Simbólica Pode Exprimir a Necessidade do Espírito... (Jung)

O homem necessita de uma vida simbólica...  Acaso vocês dispõem de um canto em algum lugar de suas casas onde realizam ritos, como acontece na Índia? Mesmo as casas mais simples daquele país têm pelo menos um canto fechado por uma cortina no qual os membros da família podem viver a vida simbólica, podem fazer seus novos votos ou meditar. (...) Nós não temos isso... não temos tempo, nem lugar.
(...) Só a vida simbólica pode exprimir a necessidade do espírito - a necessidade diária do espírito... E como não dispõem disso, as pessoas jamais podem libertar-se desse moinho - dessa vida angustiante, esmagadora e banal em que as pessoas são nada”. (Carl Jung  In “O ego e o Arquétipo”)




















(...) e você acabará encontrando esse local sagrado em seu próprio coração que é intocável por outros, onde você pode encontrar paz, buscar força, meditar e facilitar a sua auto-cura.   (Ψ Fatima Vieira)

(...)


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Ψ fragmentos sonhos...

(...)

"Quando a alma se deita na grama é  que o mundo está cheio demais para falar."(Rumi)                                                                                                                                   


(...)

"É tudo uma questão de prestar atenção...  A magia neste mundo parece funcionar em sussurros e pequenas gentilezas ".  (C. Lint)

(...)

“[...] o menino em cada um de nós - quando ocupa o seu lugar apropriado em nossas vidas - é uma fonte de brincadeiras, de prazer, de diversões, de energia, de uma espécie de liberalismo, que está pronto para as aventuras e para enfrentar o futuro.” ('A redescoberta dos arquétipos do masculino' - David G./ Robert Moore

"... e algumas pessoas irão te amar pelos teus despropósitos!          (Manoel de Barros  - 'menino que carregava água na peneira')