sábado, 11 de outubro de 2014

Ψ "Em todo adulto espreita uma criança ..." (Jung)

"Em todo adulto espreita uma criança, uma criança eterna, algo que está sempre vindo a ser, que nunca está completo, e que solicita cuidado, atenção e educação incessantes. Essa é a parte da personalidade humana que quer desenvolver-se e tornar-se completa". (Carl G. Jung)

Criança Interior: Falta de conhecimento de si mesmo traz consequências!
*Desde criança precisamos saber que somos importantes, que somos levados a sério e que cada parte de nós é digna de ser amada e aceita.

*Precisamos também saber que os que tomam conta de nós, nos amam e podemos confiar neles. 
*Quando não podemos confiar nas pessoas responsáveis por nós, quando sentimos que não se preocupam com o que sentimos, desenvolvemos uma profunda falta de confiança em nós mesmos. 
                                                          Yokota Miharu                  
 *Se formos privados desse amor, nossa noção de EU SOU, é prejudicada, contaminando o adulto com uma sede insaciável de amor, atenção e afeição, procurando esse amor no externo, em coisas materiais, dinheiro ou em outras pessoas.

*Só podemos mudar algo quando conseguimos reconhecer alguns padrões em nossa vida. A falta de auto conhecimento e conexão com a criança interior, pode trazer alguns padrões comuns.

**Sentimentos mais intensos - Medo, culpa, vazio, impotência, solidão e muito medo de ser abandonado e rejeitado. Quando os pais e outros adultos significativos nos abandonam, rejeitam ou abusam de nós na infância: (abuso não somente sexual, mas de direito, de autoridade...), a dor é tão insuportável que o adulto se desliga da criança interior para não ter mais tais vivências, intensificando assim a dor, o vazio e a solidão.
**Medo de estar errada - A criança interior abandonada está quase sempre com medo de estar errada, porque acredita ser essa a razão de ter sido abandonada ou rejeitada. *Torna-se um adulto que está sempre pedindo desculpas, como se precisasse se desculpar por um dia ter nascido. Pode ainda ser um adulto perfeccionista, ou muito preso às regras, em como as coisas devem ser feitas, na tentativa de não errar.

**Repetição interna -  A repetição interna consiste em repetir em si mesmo as violências do passado. Nós nos punimos como nos puniam na infância.
*Dizer a si mesmo frases como: "seu idiota como Pode ser tão burro?" ou "não sei fazer nada direito", "nunca serei feliz", podem ser repetições que ouvia quando criança.
*A emoção do passado, não resolvida, geralmente é usada contra a própria pessoa. Se era comum desprezarem nossos sentimentos, será também comum nos relacionarmos com quem agirá da mesma forma.                             

**Dificuldade no relacionamento afetivo - Se quando crianças, fomos vitimas de maus-tratos, tendemos a manter relacionamentos destrutivos, permitindo sermos tão maltratados como éramos, temendo o abandono.
*Confundimos carência com amor. Como podemos compartilhar nossa vida com alguém, quando não sabemos realmente quem somos? Como alguém pode nos conhecer quando não sabemos realmente quem somos? Como podemos receber amor de alguém se não nos sentimos merecedores de sermos amados?
                                                    Marie-Claire Houmeau
**Comportamento agressivo -  A criança impotente e ferida pode se transformar no adulto agressor.  Isto é  verdade especialmente em casos de maus-tratos físicos, abuso sexual, e de severa pressão emocional. Para sobreviver à dor, perde-se toda noção de identidade, identificando-se com o agressor.
*A maioria do comportamento agressivo nem sempre é resultado de maus-tratos. 
*Crianças que foram "mimadas" pelos pais aprenderam a se considerar superiores ao outros, fazendo-as acreditar que merecem um tratamento especial dos outros. 
*Perdem toda a noção de responsabilidade por seu comportamento, certas  de que seus problemas são sempre de outras pessoas.
                                                              Jim Roberti
**Codependência - Ser codependente é perder o contato com os próprios sentimentos, carências e desejos. A codependência nasce e cresce dentro de sistemas familiares doentios, (química, emocional, física e sexual), a criança passa a focalizar apenas o exterior.
*Com o tempo a criança perde a capacidade de gerar a autoestima que vem de seu interior. 
*Esse comportamento indica que as carências da infância não foram atendidas. 
*Muitas pessoas permanecem a vida toda procurando fora o amor que não receberam.
                                                              Renoir
**Necessidade de aprovação e reconhecimento - Grande parte do que lhe disseram quer era cuidado paterno e materno era abuso.
*Se continuar inclinado a minimizar e/ou racionalizar os modos pelos quais foi envergonhado, ignorado ou usado para satisfazer seus pais, não conseguirá se libertar da angustia e da dor.
*Deve aceitar o fato de que as coisas que aconteceram feriram você. Todas as crianças idealizam os pais, esse é o modo pelo qual garantem a própria sobrevivência.
*Contudo, quando a criança agredida idealiza os pais, ela acredita que é a única responsável pelo abuso de que é vitima. "eles me batem, porque sou uma criança malvada" ou ainda "eles me tocam porque eu deixo". Estranhamente, quanto mais agredida e maltratada mais quer agradar.
*(...) Esse comportamento pode se manter mesmo quando adulto. Se não consegue obter aprovação dos pais e depois junto de seu próprio adulto, poderá fazer de tudo para obter amor e provação dos outros.
                                                             K. Tarlton
**Carência - É quando precisamos dos outros para sentir amado. Essa necessidade de uma aprovação externa surge do medo profundo do abandono e da rejeição. A carência pode gerar dependência em relacionamentos doentes e do qual não se consegue sair, por medo de ficar só.
                                                           Orest Kripensky
Fontehttp://www.artigonal.com/psicoterapia-artigos/a-crianca-interior-2877207.html

Ψ Fatima vieira - Psicóloga Clínica

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Ψ Amor Líquido - Zygmunt Bauman

 Assim refere Bauman: "Vivemos tempos líquidos. Nada é para durar”.

*Tudo é efêmero. Na modernidade líquida, as transformações são cada vez mais velozes, ... e surge  medo do comprometimento, o “amor líquido”.

*O amor líquido é caracterizado pelo descartável, pela substituição frenética e compulsória das relações. 

 *Amor líquido se define a partir do padrão dos bens de consumo.

*O amor vira produto de troca e  de fácil acesso, sempre existindo algo novo que precisa ser "comprado".

*Na sua forma “líquida”, o amor tenta substituir a qualidade por quantidade. 

*É bom lembrar que o amor não é um “objeto encontrado”, mas um produto de um longo e difícil esforço e de boa vontade.

*A era da globalização da informação e da internet  trouxe uma espécie de interação superficial entre as pessoas, na qual o virtual passou a ser mais importante - por ser mais confortável do que a realidade - do que o real

*Os contatos online têm uma vantagem sobre os offline: são mais fáceis e menos arriscados o que muita gente acha atraente. Eles tornam mais fácil se conectar e se desconectar.
*Casos as coisas fiquem “quentes” demais para o conforto, você pode simplesmente deletar, sem necessidade de explicações complexas, sem inventar desculpas, sem censuras ou culpa.
 
*Atrás do seu laptop ou iPhone, com fones no ouvido, você pode  cortar os   desconfortos do mundo offline.
 
*O contato via rede social tomou o lugar de boa parte das pessoas, cuja marca principal é a ausência de comprometimento.
 
*É assim que funciona com as relações nas redes sociais. Trouxemos essa função para a vida real.
 Natalie Holland
*Conectar e desconectar tornou-se a nova forma de relação. Estamos conectados até o momento em que algo falha, daí o caminho mais fácil é desvincular totalmente.

*Mas não há almoço grátis, como diz um provérbio inglês: se você ganha algo, perde alguma coisa
.
*Entre as coisas perdidas estão as habilidades necessárias para estabelecer relações de confiança, para o que der vier, na saúde ou na tristeza ... 

*A necessidade de solidificar relações está suspensa, os contatos estão cada vez mais superficiais.


*Relações cujos encantos você nunca conhecerá a menos que pratique.
 
"É um mundo de incertezas. E cada um por si. Nossos ancestrais eram esperançosos: quando falavam de ‘progresso’, se referiam à perspectiva de cada dia ser melhor do que o anterior. Nós estamos assustados: ‘progresso’, para nós, significa uma constante ameaça de ser chutado para fora de um carro em aceleração”, afirma Barman.
Fonte: Bauman, Zygmunt  - "Vidas Desperdiçadas" e "Modernidade Líquida".
http://www.istoe.com.br/assuntos/entrevista/detalhe/102755_VIVEMOS+TEMPOS+LIQUIDOS+NADA+E+PARA+DURAR

Ψ Fatima Vieira - Psicóloga Clínica

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Ψ Marte: O Arquétipo do Guerreiro

Simbolo de marte      
   Marte - O Arquétipo do Guerreiro, a Energia Masculina
*Para os gregos e romanos, Marte simbolizava a guerra e o sangue. *Ares, na mitologia grega, era o deus da guerra. Filho de Zeus (deus dos deuses).

*Na mitologia romana, Ares era identificado como deus da guerra, da agricultura, do gado.
*Marte simboliza a própria essência do impulso guerreiro necessário para empreender a luta constante da qual depende a sobrevivência terrena.


*Simboliza o impulso para a ação, auto afirmação e a satisfação do desejo, a energia biológica dinâmica que impulsiona e realiza nossas necessidades. 

*Marte representa também nossos instintos para lutar contra ameaças reais visando a autopreservação.

*A pura expressão de marte é um bebê chorando com raiva quando ele precisa de comida ou atenção.

*Para Winnicott, a agressividade que alguns bebês manifestam, nunca é uma questão exclusiva da emergência de instintos agressivos primitivos, mas também do meio ambiente.


(...) "Quando a mãe renuncia de má vontade ou com excessiva lentidão o seu papel de amamentadora, surge no bebê o ódio e a necessidade de liberar-se." 

(...)  "Se o ambiente é invasivo e falha, no sentido de persistir em padrões de adaptação dos quais o bebê já não necessita, pode ocorrer uma introversão: o bebê se recolhe e passa a viver no mundo subjetivo. A recuperação de uma introversão patológica envolve um retorno para fora, para um mundo que a criança vê cheio de perseguidores e, quando a criança chega neste ponto, regularmente ela se torna agressiva." (Winnicott).

(...) "Em termos da fenomenologia, é preciso atentar para o fato de que a fraqueza, o retraimento, a omissão são tão agressivos quanto a manifestação aberta de agressividade. Ser roubado é tão agressivo quanto roubar. Suicídio é fundamentalmente igual a assassinato." (Winnicott).

*Quando o arquétipo marte está super ativado e sem comando libera comportamentos agressivos fortuitos.

*O crime passional e a violência sexual são comportamentos lamentáveis, produto de um homem fraco, imaturo e rudimentar.  

 *O que é o machismo? É a masculinidade acuada. O macho acuado interpreta o enigma da diferença entre os sexos como uma desigualdade de valor. E a mulher não seria diferente dele mas inferior.  (Rita M. Kehl)


*Quando o arquétipo Marte está funcionando de forma saudável, as pessoas vão sentir a energia vital, força e coragem, e vão expressá-las de maneiras não ameaçadora e não agressiva. Experiências sexuais serão intensas e vividas com sensibilidade, visando o bem estar do parceiros envolvidos.

*Ao mesmo tempo, a tendência é sempre buscar alternativas não violentas para os conflitos, soluções que beneficiem a coletividade. 

*Quando a energia de Marte é reprimida, as pessoas podem ter baixo consumo de energia, uma incapacidade de se defender, sofrerá conflitos e impotência  na área sexual.
Ψ Imaginação Ativa - Reativando o Arquétipo do Guerreiro: 
*Segundo JUNG,  somos todos uma sinergia psicológica de muitos arquétipos: guerreiro, puritano, mágico, rei ou rainha, nobre, feiticeiro ou feiticeira, herói ou heroína ...

*Aplique a técnica da Imaginação Ativa, convoque o deus marte para o seu mundo, ele virá! Ele sempre esteve com você! 

(...) e quando você menos esperar estará forte, sedutor, viril cheio de energia novamente, porque se você pedir com sinceridade tudo lhe será dado ... pois assim querem os deuses!

*Para acionar o arquétipo do Guerreiro inicia-se o ritual criando um espaço sagrado. 

*Cerque-se da cor vermelha. Pedras e flores vermelhas. Rubi. Algo esculpido com ferro. Estude os deuses da guerra. Quebre um mau hábito. Comece um programa de exercícios. Mantenha uma postura imponente, elegante, pois um guerreiro não anda curvado!

*O verdadeiro guerreiro sabe que na luta pela vida basicamente três coisas são  necessárias: Tenacidade, Conhecimento e Planejamento.

*Se você estiver doente, triste, sem vitalidade e aprisionado no cárcere de suas próprias mentiras, tente recapitular os momentos de alegria em que quase foi um guerreiro.


*O homem fraco não é livre,  enfraquece a si e aos outros lhes causando sofrimentos.

*Triste e aprisionado no seu egoísmo,  homem fraco tentará forçar os acontecimentos e as pessoas alimentando sentimentos de ódio e vingança e ficará completamente só, abandonado e infeliz.

*Esses estados aflitivos devem ser controlados pela presença de uma mente serena.  É o princípio da cura.

*O Guerreiro alerta: Seja amável, gentil, sereno, porém, astuto. Seja 100% responsável por si. Assim você estará no comando, sem ninguém para culpar, nem culpar um  destino pré estabelecido.
Se você responsabilizar outros por sua dor, você caiu na armadilha.


*Esse arquétipo ajuda-nos a afirmar o nosso poder e a nossa identidade no mundo. Esse poder pode ser físico, psicológico, intelectual ou espiritual. 

*A nível físico, o arquétipo do Guerreiro afirma que temos o direito de estar vivos e saudáveis. A consciência do Guerreiro inclui a disposição e a capacidade de luta e defesa.

*A nível psicológico, a consciência do arquétipo está relacionada com a criação de limites saudáveis em relação aos outros e de fazermos valer os nossos direitos. 

*Intelectualmente, o Guerreiro ajuda-nos a discernir, a ver que caminho, que ideias, que valores são mais úteis e favoráveis à vida.

  Fonte: I Ching O Livro da Sabedoria - Lama Zopa Norbu - Prof Roque Enrique Severino
*Moore, R., & Gillette, D. (1990). King, guerreiro, mago, amante: Redescobrindo os arquétipos da masculinidade madura. San Francisco: H.Collins.
*O livro completo da Mitologia Clássica - Bolton, Lesley   Editora: Madras. 
Os Arquétipos e a Evolução Humana - Carol  Pearson - Harper & Row, 1989
https://www.youtube.com/embed/XRCIzZHpFtY?rel=0
 Ψ  Fatima Vieira - Psicóloga Clínica

domingo, 17 de agosto de 2014

Ψ Sobre a Psicoterapia

"Minha mãe, meu psiquiatra e uma variedade de sedativos, eventualmente, me convenceram de que eu estava delirando."  (Wayne Gerard Trotman, veteranos das guerras psíquicas)

"Para a medicina, o sintoma, que leva o sujeito ao consultório, é um transtorno que acarretará, na maioria das vezes, uma medicação de eficácia consagrada.

Tudo muito simples e eficiente; mas, a lida diária com o medicar deixa clara a complexidade da situação, e que o caminho para eficácia é árduo. 

 [...]  É necessário considerar a subjetividade presente no sintoma: a história e
singularidade de cada um.

O sofrimento psíquico não se restringe às questões genéticas e neuroquímicas. 

A dor psíquica não se reduz a uma pane ou falha no sistema neuroquímico cerebral, que psicofármacos ajustariam e equilibrariam.

Ela surge entre desejos e escolhas; satisfações e frustrações; esperanças e decepções." (Galvão M. Dias)

Ψ Fatima Vieira - Psicóloga Clínica