sábado, 29 de junho de 2013

Schopenhauer e o dilema do porco-espinho

- O dilema do porco-espinho diz respeito à noção de que quanto mais próximos estão dois indivíduos, maior a probabilidade deles se ferirem mutuamente; mantendo-se distantes, irão sentir a dor da solidão.

- Assim é na sociedade, onde o vazio e a monotonia fazem com que os homens se aproximem, mas seus defeitos, desagradáveis e repelentes, fazem com que se afastem.

 * A Lenda: Durante uma era glacial muito remota, quando o globo terrestre esteve coberto por densas camadas de gelo, muitos animais não resistiram ao frio intenso e morreram indefesos, por não se adaptarem as condições do clima inóspito.

- Um grupo de porcos-espinhos  perambulando num dia frio e para não congelar chegavam mais perto uns dos outros, mas no momento em que ficavam suficientemente próximos para se aquecer, começavam a se espetar com seus espinhos.

 - Para fazer cessar a dor, dispersavam-se, perdiam o benefício do convívio próximo e recomeçavam a tremer. Isso os levava a buscar novamente a companhia uns dos outros, e o ciclo se repetia, em sua luta para encontrar uma distância confortável entre o se aquecer e o conviver.

 
- Daí a imagem do porco-espinho, com seus afiados espinhos nas costas, que irão machucar outro porco-espinho que se aproximar. 

 
- É possível afirmar que a maioria de nós prefere correr o risco de se decepcionar e de sofrer à ficar sozinho. Caso contrário a própria perpetuação da espécie humana estaria comprometida, por nossa natural dependência do grupo para proteção, reprodução e desenvolvimento emocional.
 


- Schopenhauer assim refere: alguns porco-espinhos precisavam se agrupar para que pudessem ficar aquecidos. Mas como iriam eles encontrar a distância exata em que ficariam aquecidos sem se machucar? 

- Para Schopenhauer, os porco-espinhos tiveram que  sacrificar o calor pelo conforto. 

- Schopenhauer chegou a conclusão de que se alguém possui suficiente calor interno pode evitar a sociedade e a irritação proveniente da interação social.

 Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Hedgehog%27s_Dilemma (Arthur Schopenhauer, em 1851 expôs a parábola do porco-espinho.

(Fatima Vieira - Psicóloga Clínica)

6 comentários:

.PDel disse...

Adorei!!!

psique disse...

.PDel agradeço a sua visita um abraço Fatima Vieira

Adalberto Santos Aparecido disse...

Essa historia dos porcos espinhos são verdadeira? Eles se une no frio e se machucam de fato para sobreviver ou é apenas uma lenda? Uma metafora?

Adalberto Santos Aparecido disse...

Essa historia dos porcos espinhos são verdadeira? Eles se une no frio e se machucam de fato para sobreviver ou é apenas uma lenda? Uma metafora?

Adalberto Santos Aparecido disse...

Essa historia dos porcos espinhos são verdadeira? Eles se une no frio e se machucam de fato para sobreviver ou é apenas uma lenda? Uma metafora?

Anônimo disse...

Uma metáfora.