sábado, 12 de outubro de 2013

esse menino é maluquinho!

O Menino Que Carregava Água na Peneira














 



A mãe disse que carregar água na peneira






A mãe disse que era o mesmo que
catar espinhos na água
O mesmo que criar peixes no bolso.
O menino era ligado em despropósitos. 
Quis montar os alicerces de uma casa sobre orvalhos.

    A mãe reparou que o menino
     gostava mais do vazio
     do que do cheio.
    Falava que os vazios são maiores
    e até infinitos.

Com o tempo aquele menino
que era cismado e esquisito
porque gostava de carregar água na peneira





  
(...) O menino aprendeu a usar as palavras.
Viu que podia fazer peraltagens com as palavras.
E começou a fazer peraltagens.






Foi capaz de modificar a tarde botando uma chuva nela.
O menino fazia prodígios.
Até fez uma pedra dar flor!
A mãe reparava o menino com ternura.
A mãe falou:
Meu filho você vai ser poeta.

Você vai encher os
vazios com as suas peraltagens
e algumas pessoas
vão te amar por seus despropósitos.

(...)  A mãe só que falou que eu iria viver leso fazendo só essas coisas.
O pai completou: ele precisava de ver outras coisas além de ficar ouvindo só o canto dos pássaros.
E a mãe disse mais: esse menino vai passar a vida enfiando água no espeto!
Foi quase.
(Manoel de Barros) 
Fatima Vieira - Psicóloga Clínica                                

3 comentários:

Guaraciaba Perides disse...

fazer poesia é um dom maravilhoso de ver a vida com todos os seus sentidos e abrangências.Maravilhoso
poema.Um abraço

Guaraciaba Perides disse...

fazer poesia é um dom maravilhoso de ver a vida com todos os seus sentidos e abrangências.Maravilhoso
poema.Um abraço

psique disse...

Guaraciaba Perides,
agradeço sua visita e gentil comentário, um abraço!