segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Mitos, Lendas e Arquétipos 5 - ADÔNIS e AFRODITE

Embora seja mais conhecido como divindade grega teve, origem na Síria, cultuado sob o nome semita de Tamuz. ADÔNIS era um deus ETERNAMENTE JOVEM, relacionado à vida, à morte e ressurreição; no calendário agrícola, deus da caça. Refere-se ainda ter origem no mundo semítico como ADONAI "MEU SENHOR". ADÔNIS, nas mitologias fenícia e grega, era um JOVEM de GRANDE BELEZA que nasceu das relações incestuosas que o rei Cíniras de Chipre manteve com a sua filha Mirra. Despertou o amor de PERSÉFONE e AFRODITE. Mais tarde as duas deusas passaram a disputar a companhia do mesmo, e tiveram que submeter-se à sentença de ZEUS. Este estipulou que ele passaria um terço do ano com cada uma delas, mas ADÔNIS, preferia AFRODITE, permanecia com ela também o terço restante. Nasce desse mito a idéia do ciclo anual da vegetação, com a semente que permanece sob a terra por quatro meses.

A LENDA: Brincando, certo dia, com CUPIDO, AFRODITE feriu o peito em uma de suas setas (Se alguém fosse ferido pela flecha de Cupido, apaixonava-se pela primeira pessoa que visse). AFRODITE viu ADÔNIS, e apaixonou-se por ele. Desde então, já não se interessava por seus lugares favoritos: Pafos, Cnidos e Amatos, ricos em metais. Afastava-se até mesmo do céu, pois ADÔNIS lhe era mais caro. Seguiu-o, fez-lhe companhia. Ela, que gostava de se reclinar à sombra, sem outras preocupações a não ser a de cultivar seu encantos, anda pelos bosques preocupada com seu amado, recomenda-o a ser prudente e ser corajoso somente com os tímidos. Alerta que não foi seguido por ADÔNIS que continuou expondo-se aos perigos.
A felicidade de ambos foi interrompida quando um javali furioso feriu de morte o rapaz, (o deus da guerra ARES/ marte, amante de AFRODITE, ao saber da traição da deusa, decide atacar ADÔNIS). O jovem morto desceu então ao submundo, onde governava ao lado de Hades e sua esposa a deusa PERSÉFONE – a rainha do submundo, que já esperava por ele.
ADÔNIS SERIA O ÚNICO AMOR de AFRODITE, esta com muita dor sentenciou: A memória de meu sofrimento perdurará e o espetáculo de tua morte será anualmente renovado. TEU SANGUE SERÁ TRANSFORMADO EM FLOR. Assim falando, espalhou néctar sobre o sangue e, ao se misturarem os dois líquidos, levantaram-se bolhas, como numa lagoa quando cai a chuva, e, no espaço de uma hora, nasceu uma flor cor-de-sangue, como a da romã. UMA FLOR DE VIDA CURTA. Dizem que o vento lhe abre os botões e depois arranca e dispersa as pétalas, assim é chamada de ANÊMONA, ou FLOR-DO-VENTO, pois o vento é a causa tanto de seu nascimento como de sua morte.
(Thomas Bulfinch - do livro de ouro da mitologia/ e outras fontes)
Fatima Vieira - Psicóloga Clínica

Nenhum comentário: